Total de visualizações de página

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Estação das Barcas de Niterói


Ao longo dos anos, as cidades em qualquer lugar do mundo mudam. O dinamismo das cidades é associado ao dinamismo próprio do capitalismo. Um exemplo pode ser visto na foto a seguir. Como se pode visualizar na foto tirada no final da década de 1950, que apresenta características urbanas distintas das apresentadas hoje.

Logo se nota o próprio prédio da estação das barcas. O prédio que hoje ocupa o local é diferente arquitetonicamente, e está mais para dentro do mar. Para outro olhar atento, vê se como a linha costeira na Praia Grande, São Domingos e Gragoatá está traçada diferente de hoje. Isso é explicado pelas inúmeras intervenções de aterros que a região sofreu. Por exemplo, o campus da UFF no Gragoatá está em cima de um dos maiores aterros de Niterói.

E uma última indicação é a observação do transporte preferencial em frente à estação das barcas. O bonde era o meio de transporte mais utilizado na época e levava a diversos pontos da cidade de Niterói. Hoje, se tem preferência aos carros e aos ônibus, e pouco se registra dos trilhos dessas linhas de bonde, um exemplo remanescente é na praça da Cantareira. Ali tinha uma estação das barcas, mas entrou em desuso com o grande aterramento no Gragoatá.

O passado parece ser exatamente como o nome diz: passado. Mas através do olhar para trás podemos compreender nossa formação e de nossa cidade.

*Imagem: Estação das Barcas, década de 40.

Por João Amoroso