Total de visualizações de página

domingo, 30 de março de 2014

Mestrado Profissional em Ensino de História - PROFHISTÓRIA - UERJ






O PROFHISTÓRIA é um programa de pós-graduação stricto sensu em Ensino de História, reconhecido pela CAPES. Visa à formação continuada do docente em História que atua na educação Básica, propiciando qualificação certificada para o exercício da profissão. 

As inscrições acontecem de 01/04/2014 a 01/05/2014

Mais informações em: http://www.profhistoria.uerj.br

quinta-feira, 27 de março de 2014

Família real no Brasil (1808) - Quadrinhos animados

Eu adoro quadrinhos, apesar de não ser uma conhecedora, percebo que possuem um forte apelo popular. Procurando vídeos interessantes sobre História no Youtube, me deparei com a série "Dom João no Brasil" produzida pela TV Futura. Partindo da lógica dos quadrinhos, traz em diversos episódios a vinda da família real ao Brasil. 
Montei uma playlist com todos os episódios para facilitar a busca de vocês. 
Confira o primeiro episódio e abaixo dele o link para a lista:



Dom João no Brasil (Canal Futura)

sábado, 8 de fevereiro de 2014

O Projeto que virou pintura

O Colégio Universitário Geraldo Reis - COLUNI/UFF desenvolve todos os anos o projeto Pibiquinho. Atrelado ao PIBIC, concede bolsas a alunos que participam de projetos de pesquisa idealizados pelos professores da instituição. Como professora de História do COLUNI, orientei o projeto Narrativas Multimidiáticas junto a alunos do segundo segmento do Ensino Fundamental. Abaixo, compartilho com você um texto meu que faz um balanço afetivo sobre a experiência, parte do E-Book lançado em parceria com o projeto Narrativas Infanto-Juvenis, coordenado pela professora Aldaléa Figueiredo.



O projeto que virou pintura


Um dia sonhei que a escola era como uma tela de pintura coletiva, todos pintavam com o dedo, misturando as tintas e os traçados. Não tinha essa coisa de diferenciar se era professor, aluno ou funcionário, todo mundo pintava porque a escola era todo esse mundo. E surgiam arco-íris, sóis de diversas tonalidades, pássaros, corações e outros desenhos que a gente entende mas que ainda não deram nome. Um dia sonhei essa escola, e como não esquecia passei, pouco a pouco, a pintar essa tela por onde eu ia. Essa pintura, me trouxe até aqui.
     Você já deve ser percebido que educação e arte podem se misturar, não é? Para acontecer, a arte precisa de caminhos para comunicar, na verdade, toda informação precisa de um caminho para chegar até alguém. Esse meio por onde as informações passam chamamos de mídia, ela pode ser uma tecnologia como uma caneta ou um celular, e pode também ser o nosso próprio corpo. De tanto pensar o caminho da informação que podia virar arte, pensei num projeto que poderia fazer com que a nossa pintura fosse multimidiática. Como já dizia um sábio “o ser humano não é uma ilha” e busquei ajuda para fazer a ideia acontecer.
     Com a professora Aldaléa, pensamos que as narrativas não são apenas escritas e nesse caminhar surgiram muitas ideias e vontades. Da experimentação audiovisual, encontramos as animações. E foram muitas, vimos as de massinha, com recortes, outras com imagens cortadas fazendo um stop-motion e até com peças de lego. Ver nos deixava curiosos e nada melhor do que fazer para aprender! Das conversas passamos aos story-boards, que eram desenhos dos filmes que gostaríamos de fazer. Alguns viraram filme, outros não. Porque a gente aprendia que o mais importante não era o filme pronto e sim a forma como caminhávamos até ele.
     Aos poucos fui percebendo que nossos encontros semanais na Sala de Leitura não acabavam quando íamos embora, a impressão era de que havia eco, um eco bom de ouvir. Quando eu chegava no 7o ano como professora, para falar da África antiga ou ainda do Feudalismo, haviam sorrisos diferentes. Uma cumplicidade entre os alunos do projeto se construía e contagiava o restante da turma. Era como se trouxéssemos os nossos processos de descoberta para a aula cotidiana. E aí não se sabia mais onde começava a aula e onde terminavam os encontros do projeto Narrativas Multimidiáticas.

     A nossa pintura que começou ali na Sala de Leitura com alguns alunos, professores e bolsistas de iniciação à docência está cada vez maior. Aquela primeira tela ficou pequena, então talvez precisemos de muitas outras formas de telas e pintores. Se você, leitor, chegou até aqui, é possível que já esteja com os dedos sujos de tinta, é que isso de pintar a vida acaba saindo do controle da gente.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Ecos da escravidão - Imagens de ontem e hoje

Pensei que era o Capitão do Mato quem corria, chicote em riste na mão
pra riscar a liberdade
pra declarar qual pele pesa mais no ouro.
Jetztzeit, o Tempo de Agora que num lampejo reconecta o ser a História. 
Vejo tudo. O capitão do mato, os grilhões, os gritos desesperados de dor e humilhação, a luta, a luta. 
Poste pelourinho, trava de bicicleta corrente grilhão, justiceiro capitão do mato pm.


sábado, 1 de fevereiro de 2014

Curso de História e Cultura Africanas - NCN/USP

De 03 a 07 de fevereiro de 2014, acontece o Curso de História e Cultura Africanas, que será realizado no NCN/USP.
 O curso será ministrado pelo Prof. Dr. Henrique Cunha Jr. e abordará os temas
 1 – As geografias africanas para o estudo da História e Cultura Africanas;
 2 – Os africanos escravizados no Brasil sabiam escrever. Uma introdução ás escritas africanas. 
3 – As cidades africanas na história de um continente. 
4 – África e africanos na história das matemáticas
 Carga horária de 15 horas.  



Mais infos em: http://www.ncn.org.br/index.php/ncn-na-luta/atividades/105-curso-de-historia-e-cultura-africanas

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Concurso - Professor de História da África e Ensino de História - UFF/RJ


O Curso de HISTÓRIA do Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional da Universidade Federal Fluminense – ESR/UFF aprovou a realização de dois concursos públicos para contratação de professores. Será uma vaga para Professor de História da África em regime de trabalho de 40 horas com Dedicação Exclusiva e uma vaga para Professor de Ensino de História com regime de trabalho de 20 horas.

As provas estão previstas para ocorrerem entre os dias 10 e 14 de março de 2014, portanto, na semana seguinte a do carnaval.

Ambos os concursos serão para professor adjunto, isto é, exigir-se-á dos candidatos o título de doutor.

Editais serão divulgados em breve.

Volta às aulas

As aulas retornam no próximo dia 03/02. Estarei novamente com turmas de 6o e 7o ano e já comecei a pensar nas primeiras atividades a propor.

Como o primeiro dia é bem atípico, sobretudo para os alunos do 6o ano, pensei em uma atividade de abertura para que a turma se entrose comigo e entre si (já que é comum termos alguns alunos novos).

CONHECENDO A TURMA
Costumo me apresentar e falar um pouco sobre a nossa disciplina, as atividades que faremos e como costumo trabalhar pedagogicamente.
Com a turma em círculo, proponho a seguinte atividade: com uma bolinha de pano cada aluno se apresenta (nome, idade, onde mora, o mais gosta e o que menos gosta de fazer), quando acaba, joga a bolinha  para outro aluno que segue com a sua apresentação. A atividade segue até que todos tenham se apresentado, incluindo a professora.

CONSTRUINDO O REGIMENTO DA TURMA
Gosto de construir com a turma o regimento das nossas aulas. No colégio, já existe um regimento com as normas escolares, porém, além da linguagem hermética, muitas vezes há uma associação negativa, por parte dos alunos, com as obrigações a serem cumpridas. Assim, costumo fazer uma roda com a turma e levantar as questões.
O que os alunos devem fazer para as aulas serem legais?
O que a professora deve fazer para as aulas serem legais?

Dependendo da quantidade de alunos, é possível suscitar o debate.  Outra possibilidade é pedir que eles escrevam o que pensam. Costumo afixar na turma as nossas normas de convivências e lembra-los sempre de que construímos juntos o nosso regimento.