Total de visualizações de página

terça-feira, 26 de março de 2013

Mitos da Criação - Contando histórias

O sexto ano inicia-se com a discussão acerca da origem do Homem, contrastando a explicação científica a partir da Teoria da Evolução de Charles Darwin e a Teoria Criacionista, sobretudo Cristã. Acho relevante trazer  mitos e lendas de criação que não circunscrevam somente as narrativas bíblicas. Mitos de povos indígenas e africanos são fundamentais para abrir outras problematizações sobre a nossa ancestralidade.

Na maioria das escolas há uma progressiva diminuição de atividades atreladas a arte ao longo das séries do Fundamental. O sexto ano é o início desse processo em que o aluno muitas vezes ingressa na pré-adolescência e é chamado a ter mais responsabilidades. Também é o período em que diminuem as atividades relacionadas a arte. É como se o universo artístico se relaciona-se com o universo infantil apenas. Assim, ouvir histórias contadas passa a ser cada vez mais raro ao longo do Ensino Fundamental, chegando muitas vezes a inexistência no Ensino Médio. Relevante é desconstruir essa relação de que só as crianças escutam histórias, trazendo a importância das tradições orais em diversas culturas e civilizações ao longo do tempo.

No dia de ontem, meus alunos ouviram o Mito Fon/ Ewé e o Mito Guarani da criação. Abaixo um trechinho de ambos:


Bolsista Leonardo Luz conta história para o sexto ano do COLUNI-UFF


"(...) Após criar o mundo, Nanã deu origem aos gêmeos a quem batizou de Mawu-Lisa e deu a eles a tarefa de criar o homem e povoar a Terra. Com a criação do par Mawu-Lisa, Nanã criou o equilílibrio do mundo e dos seres vivos. Mawu é o princípio feminino, a fertilidade, a suavidade, a compreensão, a ponderação, a reconciliação e o perdão. Lisa é o princípio masculino, o julgador, a impaciência, a força cósmica que castiga os homens errados e os corrige, a seriedade. Ele está sempre atento para que as leis de Mawu sejam cumpridas." (Mito de Mawu-Lisa, povo Fon/Ewé)

"(...) Um dia TUPÃ resolve criar a Mãe Terra que iria desenhar suas futuras formas: montanhas, lagos, rios e muitas outras coisas. Depois de criada a Terra precisava de alguém para continuar o trabalho da criação. Tupã é quem cuida das grandes coisas. Assim cria o primeiro ser quase humano chamado Tupã-mirim que significa pequeno criador. Quando Tupã-mirim surgiu não conseguia viver na Terra. Ele não tinha forma, ora parecia o ar, ora o vento, às vezes era alado e luminoso – parecendo um pássaro que nunca se havia visto no Universo. Tupã-mirim disse a Tupã “Não consigo viver na Terra, Tupã, é tudo muito estranho e me sinto infeliz!”. Tupã pede então que ele vá aos quatro cantos do mundo para buscar sabedoria." (Mito de Tupã-Mirim, povo Guarani)